ANDROCLINIC
INFORMAÇÃO SOBRE SAÚDE MASCULINA

Ejaculação prematura

A ejaculação prematura é considerada a mais frequente das disfunções sexuais masculinas, com uma prevalência que atinge, nos países europeus e norte-americanos, cerca de 12-30% dos homens, independentemente da idade. Em Portugal, um estudo levado a cabo pela Sociedade Portuguesa de Andrologia, revelou que cerca de 12% dos portugueses apresentavam queixas moderadas e graves de ejaculação prematura.

Existem dois tipos de ejaculação prematura: primária, quando surge no início da atividade sexual, e secundária, quando se instala num momento tardio da vida sexual. A ejaculação prematura primária é devida a um "erro" na aprendizagem das primeiras experiências sexuais. A aprendizagem é o principal mecanismo que vai permitir que o reflexo da ejaculação se converte num ato voluntário. Todas as circunstâncias que interfiram negativamente nesta aprendizagem podem gerar um reflexo condicionado que desencadeia a ejaculação prematura. Cria-se então um círculo vicioso: o indivíduo reage rápido, aumenta a ansiedade, favorece a ejaculação prematura e bloqueia o potencial que permite o prazer sexual.

Os factores desencadeadores da ejaculação prematura secundária estão relacionados com tudo o que é inerente à terminologia de stress, característica da sociedade atual, em que o prazer erótico se encontra ligado ao sucesso e ao poder. Ou ainda ao tipo de vida consumista, com os seus hábitos tóxicos (álcool, drogas, estimu-lantes, tabaco, etc), poucas horas de descanso ou falta de exercício físico. O grau de ansiedade desencadeia uma grande frustração, que faz aumentar a ansiedade antecipatória a próximos fracassos.

Tratamento

Quando a etiologia da disfunção pode ser incluída nas disfunções psicológicas, a terapêutica deve ser comportamental. Quando esta falha ou quando é inexequível, deve tentar-se a terapêutica medicamentosa.

Têm sido tentados diversos fár-macos, a começar pela aplicação na glande de anestésicos locais, com o inconveniente de diminuir o prazer sexual. Outros têm sido utiliza-dos, nomeadamente alguns antidepressivos (clopra-mina, paroxetina e sertralina), que precisam de ser tomados diariamente ou bastante tempo antes da atividade sexual.

Atualmente o único fármaco especifico existente é a dapoxetina (Priligy). Na dose de 30 ou 60 mg, tomada cerca de 1 a 3 horas antes da relação sexual, é um particularmente eficaz, prolongando significativa-mente o momento de ejacular, com poucos efeitos secundários.

DISFUNÇÕES SEXUAIS

O doente com disfunção ejaculatória habitualmente procura tratamento em três circunstâncias: a) por determinar problemas de fertilidade; b) por ser sintomática; c) por causar insatisfação sexual; Todas as circunstâncias devem ser consideradas indicação para tratamento, mas as opções terapêuticas devem ser ponderadas caso a caso.