ANDROCLINIC
INFORMAÇÃO SOBRE SAÚDE MASCULINA

Disfunção erétil, um sinal de doença

A disfunção erétil não é uma doença; é um sinal ou sintoma de uma doença. Pode mesmo ser a sua manifestação inicial. Não é invulgar que um ou dois anos antes de haver manifestação de insuficiência coronária, com infarto do miocárdio, possa surgir diminuição da capacidade de ereçãol, revelando a existência de uma doença arterial sistémica.

A diabetes, a hipertensão arterial, os níveis elevados de colesterol no sangue e os hábitos tabágicos, são as causas mais frequentes de DE.

O controlo dessas doenças pelo seu médico pode ajudá-lo a normalizar a sua função erétil.

Causas de disfunção erétil

Cerca de 10 a 20% dos casos de disfunção erétil (DE) devem-se exclusivamente a factores psicológicos. Entre eles encontram-se a ansiedade, a depressão, a falta de auto-estima, o sentido de culpa, o medo de falhar. Mas a maior parte dos factores psicológicos surge como reacção secundária às causas físicas. Esse grupo pode atingir 80% das situações psicológicas.

As causas físicas são principalmente de dois tipos: neurológicas, como por exemplo os casos de interrupção da condução nervosa periférica por cirurgias radicais do recto, da próstata e da bexiga; vasculares, quando a circulação sanguínea do pénis está perturbada.

A causa mais frequente de disfunção erétil é a insuficiência arterial, que é responsável por cerca de 60-70% das causas orgânicas de disfunção. A ateroesclerose, hipertensão, diabetes, alcoolismo e tabagismo provocam alterações da parede dos vasos sanguíneos, obstruindo o seu interior ou diminuindo a elasticidade da sua parede.

Menos frequente é a insuficiência venosa, que acontece em cerca de 20% dos casos e que pode dever-se a malformação congénita ou a lesão tardia. Quando a anomalia venosa é congénita as queixas são muito precoces. Se é uma lesão tardia geralmente encontramos uma história de diabetes, excesso de tabaco ou doença de Peyronie.

Outras causas frequentes de disfunção erétil são a tóxica e a medicamentosa. Podem estar presente em cerca de 25% das perturbações eréteis. Para além das drogas ilícitas, onde dominam a cocaína, a heroína e o ecstasy, encontram-se os anti-hipertensores, os antidepressivos, os supressores do apetite e os anti-ulcerosos.

DISFUNÇÕES SEXUAIS